MINHAS ESTANTES

Adereços, amores, alegrias, frustrações, fantasias e gargalhadas.

na hora do calor e dos olhares, quem manda é Nelson Rodrigues.


Se apaixonar é sonhar
sonhar que os sonhos são realidade
ingenua é a paixão
ela não constrói com pé no chão.

Silêncios doloridos,
versos rasgados
desejos proibidos
descompromissos .

De flertes vão vivendo
de lembranças vamos sorrindo
de desculpas, nos distanciando
até um dia qualquer.

Se eu um dia desejo
O desejo só faz aumentar
E para sempre quero desejar
Me pego em sonhos tentando imaginar.

E fito o seu olhar
E então nos seus braços quero morar
E na sua boca me silenciar
Sonhos, fantasias e paciência.
;
Acorda, acorda ...
pare de sonhar acordada
vai viver desejos reais
se apegue em você.









Illusion's Wanderer (Ildegardo Rosa / Emmanuel Mirdad) BR-N1I-14-00016 Para que direção corre o curso da vida? Para cima, para baixo, para um lado, para o outro, para frente ou para trás? Ou corre para lugar nenhum? Então, observe apenas, não interrompa e nem interfira. Deixe-o simplesmente correr, não importa para onde. O que importa é estar nele, é ser ele mesmo, pois esse é o nosso destino, a nossa eterna condição. Não te arremesses no amanhã, no que desejas vir a ser, nem te agarres no passado, no que já foi e não voltará; são meras fugas e ilusões. O que tu tens de concreto e não importa o que te aconteças é este instante; não tentes escapar dele, viva-o com plenitude e coragem. Esgote-o! Ele é a tua única realidade, mesmo que nada seja real. Por que se agarrar à vida? Agarrar-se à vida é perdê-la. A vida é um processo. É um fluxo eterno. É um estar indo, não importa para onde, mesmo se for para lugar nenhum. Vá com a vida. Deixa de olhar para o teu umbigo como se fosse o centro do mundo. O teu destino pessoal não tens a mínima importância, pois tu és apenas um fenômeno passageiro e ilusório, uma emanação do que és, sempre foste, e sempre serás: a eterna existência. Desperta, homem! Aí então saberás que esta eternidade és tu mesmo e tudo mais que existe. Não penses que o mundo gira em torno de ti! Quão pequenina e fugaz é a tua megalomania dentro da Natureza. Enquanto estiveres cheio das tuas coisas, tesouros, paixões, posses, desejos, sofrimentos, deuses e ilusões, enfim, do teu próprio ego que carregas em vão, tu estarás no NADA, no sem sentido, na ilusão. Corri como um louco em busca da felicidade e trouxe apenas as mãos vazias pendentes de ilusões. Caminhei então, devagar, em busca do meu próprio destino e hoje trago as mãos cheias carregadas de vida. Me aconteci, me manifestei, me existi. Sou um ser que está fora. Para fora estão os meus olhos que percebem as ilusões do mundo. De fora entra o ar que respiro e mantém o meu alento. Lá fora é que estão o céu e o inferno, os santos e os demônios, os que me envolvem de amor e os que me sufocam de tanto ódio. Como então posso retornar para dentro? Desde o princípio que nunca principiou, pois sempre foi, é e será, eu sou. Não há caminho a se percorrer, algum Deus a se buscar ou iluminação a se alcançar. Tudo já está pronto como sempre esteve. Apenas abra os olhos porque então o desmistério acontece, se revela o que era irrevelado, face à minha ignorância, minhas perdições, meus pecados, minhas ilusões! Desde o princípio eu sou. Porque não existe nem o dentro, nem o fora, apenas o ser aqui e agora. De que estão se busca sentido? Eu venho de lugar nenhum e vou para nenhum lugar. Agora deixarei o mistério acontecer por si mesmo e se auto desvelar a cada instante por toda a eternidade. Agora relaxarei profundamente e cessarei essa tentativa ansiosa, desesperada e sofrida de querer desvelar o mistério e tudo ser em vão. Agora viverei a vida que está presente e que a cada instante acontece e desacontece, não importando seu destino e sua razão de ser. Não olhes para o alto em busca de soluções porque o alto é apenas uma distância vazia e inexpressiva. Não olhes para a esquerda ou para a direita porque são apenas posições relativas. Não olhes para trás, pois apenas entortarás a cabeça em busca de um passado que não retorna jamais. Não olhes para frente, pois seguirás em vão tua estrada sem rumo e sem destino que te conduzirás à morte. Olhe então para dentro de ti, pois ai estará a solução. De que? Só tu saberás! Eu sei (ou quase sei) que estou lá ou aqui – pouco importa. O mundo é uma ilusão. ----- Letra formada por trechos de 14 poemas de Ildegardo Rosa, produzidos em 1957, 1958, 1993, 1994, 1995, 1996, 1997 e 1998. Melodia composta por Emmanuel Mirdad em 17/07/2002




Viagem no futuro, é viver como se você sonhasse com as suas próprias expectativas, com o sonho do seu futuro. E ai, nessa onda você conhece alguém e sai vivendo tudo, inclusive o que não viveu, porque são fantasias, são alegorias e tudo faz parte da letra que você canta. Se você se apoia demais no outro, você sabe que a qualquer momento vai romper. Isso vale para grandes amizades, grandes parcerias, coisa até para irmandade e é nisso tudo que você entende como funciona as relações de afeto, você saca principalmente você mesmo. Mesmo com ajuda do outro e você o tempo todo que está fazendo sua caminhada, é viagem sola.

Sabe aquela mente que vive 50 desfechos para cada situação? 
Sabe aquela que se frustra porque sonhou demais? 
Aquela que desacredita que porque nunca deu certo, mas sonha acordado?
Que olhava mais para os outros, com o olhar dos outros?
Percebe??

Até quando você vai ficar negligenciando as suas verdades?
Até onde você vai sonhar com o sonho dos outros?
Demorou, né?
Vamos começar a nos olhar, a sorrir para o espelho, a ter esperança e fazer coisas para você antes de fazer pelos outros, mesmo sendo filhos, mesmo sendo seus pais ... 

Eu tenho a minha estória, narrada por mim e por outros
Se são verdades eu dou risada e aceito,
Se for mentiras eu dou risada ainda mais 
Eu sei quem eu sou e cada um me tem de formas diferentes

Uma versão
Uma canção
Um sorriso
Ou a minha privacidade

Eu me apresento todos os dias para mim mesma,
Ou então o pânico, a depressão e ansiedade vai me sucumbir 
Não vivo mais meias verdades
Tão pouco a frieza

Uma versão, talvez eu te respeite
Uma canção, certamente eu te respeito
Um sorriso, se for com o olhar eu te admiro
Se usufruir da minha privacidade, tu és de confiança.

Tem gente que diz: Você gosta disso?
Se eu disser não, mas vamos lá eu quero saber.
Eu vou dividir com você o meu momento.
E saber. E eu terei a minha opinião sobre. 

Assim a gente caminha e equilibra os nossos próprios egos.
Não carrego mais ego alheio.
Nem suporto mais os meus.

22/11/2017

Retrato de Uma Segunda Feira

Uma segunda de feriado. Hoje me limito ao meu restrito particular. Quero escrever sobre memórias. E então, vou começar tentando traçar uma narrativa como uma memória semântica, que é aquela que registra e re-memoriza. Ela também se confunde e invade a memória episódica (me refiro a minha), que está em tempo e espaço, vivência de aprendizados e tem sentido positivo.

Enfim, acabei de ler um post no facebook, fazendo referência a um livro de Jorge Amado "Gabriela Cravo e Canela" que dizia: "Nunca vi morena tão bonita - Chico Moleza deixava as palavras rolarem preguiçosamente" Relaxing com meu presente de aniversário - obrigada @cristianenovaess.

Fui muito longe nesse pensamento, me lembrei que este foi um tipo de presente para uma pessoa muito especial, porque é uma edição velha, com um enredo lindo escrito pelo Jorge Amado. Foi um presente de paciente, que guardei para ler na melhor hora. E então, resolvi passa-lo a minha amiga querida com uma dedicatória, pois foi aniversário dela e ela sabe que eu gosto de dar coisas com valores emocionais e significativos, eu sempre vou querer fazer pelo menos um cartão com as minhas mãos e entregar junto com uma rosa, provavelmente roubada de algum jardim, faço um terrarium para um, um desenho para o outro, uma dedicatória num livro raridade enrolada numa fita de cetim e assim que penso como deveria ser os presentes. 

Me sinto contraditória, porque ao mesmo tempo que eu tenho umas coisas de guardar objetos de valor sentimental, da impressão que sou acumuladora. Hoje em dia eu moro em casa pequena, que não tem lugar apropriado para colocar as roupas que estão secas no varal, se eu não tirar do varal e já ir dobrando, e guardando nos lugares na hora, fica em cima de algum lugar por uns dois ou três dias. Hoje na faxina eu achei uma caixa que guardei desde a mudança, que nunca tive espaço para colocar, e achei já era hora de olhar e ver (redundância necessária). Quando fui tirando as coisas de dentro percebi o quanto o tempo vai nos amadurecendo e fui amadurecendo, agora me vejo tentando ter um olhar questionador de "O que eu fui antes de chegar aqui?", assim dentro destas caixas estão muitos álbuns de fotos de fases maravilhosas da minha vida, achei a máquina fotográfica responsável por registra a maioria das fotos, uma Canon Prima BF-800 de 28mm e que me deu uma louca vontade de comprar um filme de 36 poses e voltar a fotografar com ela, ela está zerada.

Achei diários do Henry de 2009, juro que quando li a primeira linha e percebi o conteúdo eu parei de ler, não me sinto confortável invadindo a privacidade dele, talvez daqui uns anos ele me conte o que está escrito lá e daremos muitas risadas. Achei também o VHS do nascimento dele, a fita enroscou ao rebobinar e está precisando consertar e talvez digitalizar. Uma máquina de escrever que tenho desde 15 anos e que já foi garimpada usada, que é uma Remington 15, ela virou uma arte na decoração da minha casa há muito tempo. Achei figurinhas de álbum de futebol, PictureKas, Yu-Gi-Oh, moedas antigas garimpadas no masp e cédulas do mundo que ele ganha da família, virou coleção dele e sempre ele tem uma coleção nova. Ele coleciona sempre, mas hoje ele avalia mais os critérios, por exemplo, camisas e playlists de bandas de rock, camisetas de times de futebol, repescagem de troca de roupas. Mas, ele já colecionou muitas práticas e objetos relacionados, como por exemplo: carrinhos hot wheels, jogos, raquetes de ping pong, all star, mais jogos e diversos, futebol de salão, karatê, bolas de todas as espécies, livros de mitologia Grega - coleção do Percy Jackson ele teve inteira e perdeu 1 livro quando viajou de férias lendo e perdeu na casa de alguém, do resto ele tem todos da série.

E o pouco espaço que tenho em casa, certamente é sucinto, mas totalmente carregados de lembranças. Tudo tem um sentido e uma história e são tantas histórias e lembranças. 

E voltando a cronologia do dia, acordei meio cedo comecei o conteúdo de uma disciplina, eram  102 páginas e sintetizei em 11 tópicos, depois de ter ficado 4 horas estudando, me assustei depois que percebi, mas já tinha enviado para a faculdade. Segundo os estudos de neurociências o que fazemos de pronto é o que geralmente está correto, a primeira alternativa é sempre a certa. Então, ele já foi, oremos.

Eu e o Henry estamos atarefados e estamos dividindo o notebook, agora ele está descansando e eu deveria estar estudando, mas quando vi o post da minha amiga é como se tivesse feito o efeito do mememe "Me larga que eu quero postar".

As memórias são sempre seletivas e então escolho não contar ou contar algo, eu projeto a minha visão da visão que estabeleci em mim mesma, mas estes são os conscientes e tem ainda os inconscientes, que são aquelas lembranças que precisa de um gatilho para vir a tona. Sem demagogia, mas percebo que tudo que eu aprendo em Pedagogia são gatilhos que me fazem querer cada vez mais, estudar todos estes riquíssimos e trabalhosos momentos. O que não é terapêutico, é teoria; renovadas de tempo em tempo.

Foto da apostila: Ensino e Aprendizagem e Formação Docente - Módulo 1







Essa música é um tom de black music, com a dor do poeta. Aquele momento que o poeta ta vivendo a dor na hora de escrever, mas ele dá fragmentos de poesia na dor e a arte incorpora. Fase criativa de Tim Maia, quando ficou sozinho com o filho pequeno que não era nem dele, a mulher sumiu, cansou da vida ao lado dele, não é fácil lidar com as multifaces de um artista.



Rola sempre uns altos e baixos, o tempo todo e as vezes até inconscientemente, a gente quando se apaixona, vive a emoção das projeções daquilo que vamos entendendo, como se vivêssemos o ego de uma outra pessoa.



Tim Maia cometeu todos os excessos, inclusive o da vaidade e da avareza, mas foi um artista muito autentico, suas fases são sempre renovadas, acho que a continuação dessa música é a "Você", não é segredo que sou romântica mesmo.




Search This Blog

...

" O DEUS QUE HABITA EM MIM, SAÚDA O DEUS QUE HABITA EM TI ."


Escrevo sem pretensão de leitores, mas por pura necessidade de aliviar a tensão do cotidiano intenso.

Essa válvula escolhi para quietação da alma, alguns dançam, outros interpretam, quando outros pintam e bordam, eu preciso fazer muitas coisas, muitas .... uma delas é escrever, rabiscar, rasurar, escrever e apagar, nem sempre publicamente.

Me procuro e me encontro, ora desapareço. Isso nem sempre quer dizer alguma coisa, nem me preocupo. Quando muito me assombro, causa-me dor e desconforto. Retomo o ciclo e as vezes em circulo.

E ainda me pergunto, quem sou eu??!

My photo

Nada de extraordinário ao pé da letra ..... sigo os caminhos das pedras que curvam o rio de águas cristalinas que caem incasavelmente das pedreiras. Só saio de lá quando anoitece.

arte

arte