MINHAS ESTANTES

Adereços, amores, alegrias, frustrações, fantasias e gargalhadas.

tive esperanças
sorri como nunca
dancei por horas
reunindo forças


me declaro
no tempo
as vésperas
dentro de um vulcão

sobretudo poetizando
o que não se pode dizer
apenas sentir
laços adormecidos

é manhã
sem saber
visto-me de listras
analisando este tempo, nublado

ele insiste em correr
feito atleta do saber
mas, não sabe de nada ...
tolo e temo em dizer

passo a passo
vai sumindo
vai simbora
vai de pressa

vem sol
anda logo
vem arder
compreender

me acompanhe
me aquece
e me entorpece
se quiser, me enlouquece

sinto
vejo
toco
afago

todo dia ....



" No minuto que ouvi minha primeira história de amor, comecei a olhar para você, sem saber que era cega. Enfim, os amantes não se encontram em algum lugar. Eles são, um no outro o tempo todo."
Rumi



Que não precisamos de maquiagem para ser bonita, nem tão pouco de coisas externas para lhe preencher, que tudo está muito no que você alimenta o seu interior. Não importa ter um par de sapatos caros e requintados para saber o seu valor na sociedade, que o carro é mais para usufruto, que ostentação (odeio essa palavrinha da moda), que quando se tem valores nada te corrompe e nada te impede de ser você. Mesmo que passe por todas as fases da revolta, um dia a lição é aprendida.

Tudo que compõem o meio externo é alegoria, uma máscara e que quando estamos a sós no tete a tete da vida percebemos que nada trouxe a tão esperada alegria de ser, e ser o que somos é mais valoroso mesmo que o mundo que lhe cerca esteja ainda numa expectativa de ter e não de ser. Cada um tem um tempo para aprender, e tem gente que nunca vai aprender mesmo a lição.

Hoje me julgo melhor, não tenho luxo, mas sou requintada pelas minhas próprias atitudes, valorizando o mínimo e agradecendo ao máximo, não tenho nada que não seja dentro daquilo que acredito que é de valor, mas o valor não comercial .... há uma grande diferença. Tudo que passei me ajudou a enxergar o que realmente importa.

As coisas são simples de fato. Não há tempo que não chegue pra quem se dispõem. Não há desejo que não se possa realizar, quando é verdadeiro e quando se levanta disposto a seguir em frente.


"Uma mulher que acorda desperta uma comunidade inteira."




Há tempos passei de tranquila para intolerante!! (nem me incomodo) Sendo que atualmente percebo que estou muito chata, muito mesmo ...

Não me censuro com nada, com sentimento, com percepção, com pessoas, com idéias, com prazeres, com arte num todo.  Sou mesmo aberta a qualquer lance do mundo, indo aos ritmos, a cultura, a leitura, a romance, a religiosidade, as baladas, a sabores, a poesias e todas as diversidades, mas o meu mundo é restrito poucas vezes e isso não me faz querer experimentos quaisquer ou a qualquer hora.

Logo não sou fixa .... então o singular dos substantivos a seguir não me representa: cor, ideia, ordem, estudo, conhecimento, fé, moda, artista, arte, música .... minha alma é bohemia e adaptável para gostos e prazeres, minha criatividade é maratonista, assim todos os dias reinvento prazeres, capto idéias, conheço os novos e reciclo todos os ciclos, indo de encontro ao meu hiperativismo explica-se (ou penso, não sei) os vários cursos dos saberes diferentes dos quais cursei e ainda continuo cursando, logo não posso esquecer dos hobbys que coleciono ... jardinagem, fotografias, moda, eventos, planejamento, entre outros. Tudo se interage de algum modo, tijolos da parede em construção.

Não aceito mais a opinião de qualquer um e também não me acostumo mais a levar desaforo para casa, foi o tempo em que engolia sapos, se hoje alguém quiser por no meu rabo, vai ter que ser por consentimento. Nem vem me falar que acha que isso ou aquilo, só vem no modo achismo se for muito intimo ou se tiver MUITA coerência, pq se for projeção meu amigo eu rodo a baiana retada que mora em mim. Entenda, eu sou como eu sou e ralei muito pra ser assim do jeito que eu quero ....

Tenho odiado grupos de whats com milhares de pessoas que dizem a mesma coisa o tempo todo, quando pior aqueles que te incluem e nem perguntam se você quer e te excluem do mesmo modo que te incluíram.

Não suporto ouvir discurso machista na boca de mulheres, eu fico doente quando ouço e diariamente mato qualquer resquio de machismo no meu ser, claro que tem algumas coisas foram tão embutidas que nem sempre é obvio e é um caralho ter que conviver com isso.

Ahhh, sem esquecer aquele tipo de homem que fala e vai se pendurando no ombro, no braço e qualquer um que coloque a mão na minha cabeça ..... fico muito puta.

Se você me magoar é certo que eu fique em silêncio por dias, mas se você quiser saber o porque ou me cutucar (...) tenho certeza que vai preferir meu silêncio de "não me dirija a palavra" e minha a cara é muito boa nesse sentido, qualquer um saca.

E jamais confunda minha amizade com fraqueza.


Pois é muito...chata mesmo, tão chata que amanhã a lista pode ser outra.










Hoje me despeço, me despedaço, me recorto e me reabro ao novo ...

Nunca guardei nada de ruim por muito tempo, mas todo tempo que preciso no modo interno ou introspectivo é necessário para restabelecer 'novos modos' de pensar sobre o que se torna ruim, ou não tão bom. Hoje consigo racionalizar esse sentimento insano, impróprio a minha natureza, o ódio e a apatia, logo me bate um grande alívio, mesmo na desordem mental.

O que me sobra é algo divino em pensar que tudo que passamos é porque permitimos que seja desta forma, nem sempre tão obvio assim, leva-se dias para racionalizar e baixar a guarda do mental, pensando no sentido que tudo de ruim tem um lado bom. E a construção passiva ou ativa em assentar um tijolo nessa grande muralha da vida, nos construir em grandes fortalezas cercadas de um jardim obscuro as vezes, flores pantanosas, rochas ricas em limo, mas a aurora brilhará no céu depois de um dia que você se percebe diferente, que a dor ainda castigue, que o ódio maltrate, mas que no fundo no fundo você conseguiu brotar dentro de todo o mal, o mal nem sempre tem que ter cara de mal, porque vai sempre depender de como ele bate e de como você reage, transcendendo ou deprimindo.

Os relacionamentos humanos são exatamente para isso, sinto como se toda construção sendo ela por amor, paixão, amizade, desejos e qualquer outro modo que nos atraia na teia mental, no estado meditativo da união e a cada dia que passamos nesse mover de sentimentos nos abre vários outros pontos a serem completados na nossa intima caminhada e que não necessariamente pertence ao outro, cada um capta o sentimento que assenta na sua transição, ao gosto doce ou amargo do prazer em viver todos os afetos.


Incrivelmente a vida é um jogo, você da suas cartas ou lança seus dados e arrisca um resultado favorável, as vezes se perde as vezes se ganha, mas no fundo a gente sempre ganha. Esse "ganha" é um empenho pessoal, tendo em vista que cada um de nós percebemos a vida e nos percebemos no tom que sua visão lhe permite. Quero dizer, o quanto de bom no ruim se pode sentir? O desejo de colorir um papel em branco se tem em mente? Qual as cores que você usaria nesse desenho da vida? Quantos tons pastéis e quantos tons vibrantes usaria? A sacada é essa, nesse jogo você embaralha e distribui, sente o resultado, analisa e arrisca novamente, as cores ao redor serão parte do que você pinta, sonha, imagina do seu filtro, criando seu próprio ballet dos corpos a vista dos olhares dos outros ou não, e se te assombra dance ou faça amor frente ao espelho, veja a beleza dos movimentos, do encaixe dos corpos, pinte e colore e você sentirá esse resultado. Olhe nos olhos da vida, das pessoas, encare, encaixe, desenhe e aprimore. Todos os dias é um dia impar, hoje eu estou aciganada num ritmo entre o árabe e o flamenco, saca? Ontem eu era mais clássica e analítica.
Imagine agora isso tudo em você diariamente sem se dar conta da conta, meio que só passar por isso aleatoriamente. Eu não tenho nenhum problema em me conhecer todos os dias, pois todos os dias eu tenho desejos e sentimentos diferentes, isso me torna eu, tão somente, independente de ter metas e fazer que essas se concretizem eu vou caminhando e sentindo todo dia o que eu devo manter em mim e o que eu deixo ir, ainda que as minhas metas estejam lá eu me permito desprender das idéias de outrora, volúvel .... não apenas, mas sigo meus sentidos, meus privilégios, minhas andanças, minhas partilhas, assim como se arruma um móvel na sala e dispõem seus livros de sempre, mas de um modo novo e diferente, saca? Eu sou eu, independente do modo em que me posiciono.
Muito embora o ballet de ontem tenha sido incrível, eu amanhã sentirei saudade e carência do desejo que sentirei desse ballet novamente e penso que eu poderia te-lo diariamente, mas não seria igual, certamente, pois esse sentido carnal dos desejos devem variar, no meu modo de pensar. Acredito.

Os dias que me perseguem na sombra da luz, aos olhos sorridentes e ao ritmo na paz. Cópias de tudo foram reservadas até que eu tenha chegado a este momento solene de tranquilidade. Ajustes estão sendo editados, sem demora. 

Acordo de madrugada, durmo lavando louça, faço pose recolhendo o lixo, pinto as unhas viajando para a estrada dos rumores alheios, muito que bem, a febre terçã dos alheios não me adoece, não me assombra e não me seduz.

Suspiro, respiro, transpiro ...

Sorrio, assobio cutucando a tristeza e sem por reparo ...

Solta a neura e vem pra cá, destrava os trigêmeos numa boa risada.

Por hoje é isso, o restante fica por conta da imaginação criativa, dos olhos curiosos, dos pensamentos maldosos, das torcidas e vibrações positivas, das rezas e mantras, dos parafusos apertados, do verde nascendo no vaso de terra, do brilho do astro rei, da rotina improvisada, do elo dos amantes, do amor na paciência, do companheirismo para todas as horas, no vermelho vibrante, no sol escaldante, na panela pegando fervura, do coito dos apaixonados, dos sapatos apertados, do calor abundante, dos pernilongos plantonistas e sem adicional noturno, da fronha amarrotada, das havaianas leves, dos grandes amores, do ônibus errado, do cartão de ponto atrasado, das mensagens quentes do whatsapp, dos selfies próprios e impróprios diversos, da muqueca de peixe, das sementes plantadas de raphias, azaléias, suculentas, cactos e pitangas, do batom nude ao vermelho, das cores e ao branco, dos ricos e os apaixonantes, da política militante e escaldante, das rezas nos terreiros, das correntes de e-mail, do salto da sua conta (chore ou sorria, fique à vontade) e por último aos dias que renascem do escuro das noites submersas ... aplausos para vida, são mais que motivos para sermos nós sem demagogias antagônicas, assumindo, crescendo vivendo só porque a vida é isso aí, mar de oportunidades.

Só um conselho se me permitir ... faça as coisas na hora, sem se importar com o relógio e com o cansaço, porque a oportunidade é na hora, é agora, vá e siga seus passos.







Sou apaixonada por esse talento chamado Sting, estou num dia favorável e feliz e ouço esse som no último.... dançando pela casa ....

"Desde que te amo, o mundo inteiro te pertence. 
Por isso, nunca cheguei a dar-te nada. 
Apenas devolvi."
MIA COUTO

O outono

Em temperes do vento
Lírios brancos enfeitam os dias
Barcos navegam na direção do inesperado
Recortes de paisagens marcam um novo estado.

Dias se anunciam esperançosos
Busco aprofundar-me em novos presságios
Novos ares, partindo com uma bagagem rica e fértil
Novos portos, novos encontros e despedidas em novos ritmos.

Vale muito passar pelo outono, após ter vivido no deserto
Até que chegue a primavera, estou plantando flores, vida e sonhos
Colhendo experiências, hábitos planejados, sorrisos sinceros
Que venha o frescor e o movimento do vento ... soprando, enfeitando, inovando, criando tudo em minha volta .......

19/05/2014 - Cris Novaes

A paz

O vento que entra anuncia que nada é mais como antes
Em mim tudo mudou, passou, acabou e recomeçou
Me experimento, saboreio, fico de passagem e viro o jogo
Me acalmo e sussego

O caos da desordem
A fragilidade da descoberta exarcebada
O milagre do infinito, me pego em pensamentos
O controle do anuncio

Multiplica o fato, o foco, o real imaginado
Salve-se em mim tudo que puder
Gira gira pensamentos
Dedos relatam, inventam, criam e descobrem o que nem existia

Passos ao livre
Sorrisos ao novo
Remonto, remodelando o que antes era imaginado
Segue ao que me desperta

A paz não existe
A paz é desejo
A paz é saudade
A paz é pensar
A paz é viver
A paz é a paz de poder escolher para onde se sentir em paz.

Cris Novaes 

Solitude

O prazer da solidão é para poucos
Estes loucos e na urgência de resgatar-se
Soa o silêncio e a sua própria voz surge no ato maior
Que beira o alivio de estar em si
E esse chega em tempo e pára o tempo
Tempo do ser livre
De viver em paz em boa hora.

A quem possa interessar:

Há dias ando fabricando sensações,
Sendo essas sortidas e infinitas ...
Doces e também malvadas.
Tantos pesadelos misturados aos sonhos,
Num tango argentino de qualidade, 
Suponho que dure até a eternidade.
Do contrário me sentirei dançando, pois não me importo.
O livro do qual leio, não me faz melhor, porém
Este me abre um mundo do qual eu não conhecia, fabuloso.
Nessas histórias vejo-me, luto e compreendo.
Pulo e assusto-me diariamente.
Em cada página tem um cheiro especial,
desses perfumes que não se encontra nem em Paris.
Essa semana passei a usar óculos e me vejo melhor.
Sobretudo, ouço o passado e o presente.
De certo haverias de ser assim, num rodapé oblíquo em que pese
Sou professor grato e feliz, quanto mais acerto no português
Entre concordâncias, regências e verbos
Crio um mundo do qual almas relacionam-se,
Pessoas encantam-se,
Enter tem-se.
O amor é isso, és também além do que descrevo,
Pois ultrapassa as palavras e adentra ao coração.
Cris Novaes

Ontem adormeci sem entender, hoje acordei com a camiseta ao contrário e pelo avesso.
No gole amargo dos pensamentos sou surrada pela falta de direcionamento, pelas atitudes que gostaríamos que fosse, todas em tons pastéis dos sonhos inapropriados, incoerente e inconsistente. As palavras que a gente da para outros jamais voltam para nós mesmo, não há eco, só silêncio e confusão, ateado em fogo do inconstante movimento entre a chama e o vento.
Estou no olho do tufão, nem sei quais são as lutas de hoje, não consigo compreender certas confusões pessoais, talvez este seja o ponto crucial da estória, pois quem foi que disse que se tem que entender tudo? (...) Nada é definitivo, isso vem como um alivio mortal para alma cansada e ferida.

Sinto falta do que não tenho,
do que não conheço
e do que achei perdido dentro do coração.

Sem respostas
Muitas lacunas e armadilhas
Desejos mais proibidos em porções do pecado

Se eu fosse uma flor
seria a mais selvagem
a de cor mais intensa, hipnótica.

Alvorecer pintado de laranja e vermelho
Não escurece, por favor
Não sei enxergar no escuro ...


O pensamento tem gosto de quero ficar a vontade!

Quantos e quantos domingos deixei de ficar em casa ou de passear para ir trabalhar, (...) nossa nem faço ideia de quantos. O fato é que neste apenas o conforto do lar me representa, o cobertor, o travesseiro, alguns filmes, mal tive coragem de ficar na cozinha por mais de meia hora, o tempo necessário para fazer refeições rápidas. Nem sei como eu vou dormir essa noite, vou precisar de paciência pra ficar rolando na cama até o sono chegar.

O inverno que chega sem grandes mudanças na temperatura, mas que é lembrado pelo vento gelado que corre pela janela. As folhas secas rolando no chão parecendo chuva, com certa timidez, olho pelo vidro e volto ao aconchego rapidamente.

Passei o dia num diálogo com a reflexão com os meus eus, com as minhas crises existenciais, com o meu foco, sonhos e com as piores insanidades que ainda pairam sobre minha mente. Parei tudo para reavaliar coisas já convictas, porque depois de ficar a madrugada conversando com um amigo, pude perceber que não tem nada que seja eterno nessa vida, nada que a gente mesmo não vá atras de cativar, e também e o mais importante somos responsáveis por nós mesmos e por ser ou não feliz como queria.

As pessoas, assim como eu, se acostumam com tão pouco, agradam mais aos outros do que se agradam e estes tão pouco conseguem reconhecer pequenas gentilezas. Pessoas machucadas e marcadas por histórias tão diferentes, cada um com a sua bagagem de vida, escolhas, vitórias e insucessos. Fico pensando enquanto estou ouço as histórias e me vejo num fio curto e sem paciência para viver essas coisas, comigo é simples .. é, ou não é ... não fico querendo ter razão, nem mesmo ficar esperando e esperando para ter certeza que está infeliz e virar o jogo. Eu vou logo para o bate cabeça, saco logo a realidade e vejo se dá pra continuar ou não. Muitas vezes eu gostaria de ter mais equilíbrio, paciência e tal, mas eu chego lá, construir um dia após o outro, sem euforia, com os pés no chão, sem ficar esperando muito um do outro e ao mesmo tempo conhecer-me a fundo entre o próprios limites e os sonhos reais, essas coisas e torcer para dar certo até o fim.

Hoje em dia valorizo mais a maturidade das pessoas e sempre fico pensando em tudo, minha cabeça não para mais para ficar apenas "encantada", eu racionalizo muito mais, não olho se a barba está grande, se tem tatuagem, se usa sapatos social ou tênis, hoje eu olho além das palavras que saem de dentro da pessoa, do sorriso, das atitudes, da espontaneidade, até mesmo olho através dos sonhos contraditórios (aquela coisa de não sei se caso ou compro uma bike), do toque, das gentilezas em abrir a porta do carro, te esperar na porta do cinema com um sorriso com se fosse a primeira vez que estivesse lhe vendo, de falar da família e do trabalho abertamente, valores morais e espirituais e tal. São essas coisas que hoje eu olho e valorizo.

Por hoje é só.

Uma doce dose da simplicidade me atrai para lugares fabulosos, vagueio por pensamentos subjetivos e aleatórios a todos os instantes, as vezes me perco e esqueço de adormecer diante de pensamentos. Lembro-me então como é fácil ser feliz, sem pesos e excessos, sem extravagância, mas com um charme extra de desejos (porque estes, jamais poderão faltar).

Carrego a minha espiritualidade que me força a desenvolver mecanismos de segurança, mas com ousadia ... quero dizer ... são sempre escolhas, de abrir e de se fechar, de esperar ou de fazer acontecer, de dar e receber. Como uma boa filha de Iansã, sou todo movimento, o vento que sacode toda a poeira e me poem sempre de pé para criar oportunidades e receber aprendizados, basta estar conectado consigo e com o cosmos.

Saber reconhecer cada momento é arte difícil de realizar, mas a teimosia é a minha arte predileta e favorita, então eu aposto em dias sempre melhores, em sabores inexperimentados, em oportunidades novas, em coisas com um "que" de desejo.

Por hoje é simples assim.
Cris Novaes

Viver é mais do que estou acostumada
Sentir o algo que está além dos muros de minha alma
Adocicar os sentidos e mergulhar
Nada além de se ver

Nada além do que se vê
Nada além do que é
Nada além dos muros de pedras que chamam de olhares

Pesares, sensações

Nada além de vós
Nada além da vida
Nada além do espírito

A vida que me representa
Além dos muros de pedras
Chamei a atenção para o fim do olhar cruel e crú
Temperos de sentimentos na vida

Pesares e muitas sensações

Visto que é nada além do que se vê
Nada além da alma
Nada além de você mesmo

Sou, estou e posso ser
Muito mais do que os muros que me cercam
Ser e estar além dos olhos
Dos lábios que convertem os sonhos

Das palavras poucas e secas
Dos dedos que lhe tocam
Mãos que confortam os cabelos diante do espelho
Da moldura da reflexão

Poetisa Contemporânea - Miss Novaes

      ANNABEL LEE *
      (de Edgar Allan Poe)

    Foi há muitos e muitos anos já,
    Num reino de ao pé do mar.
    Como sabeis todos, vivia lá
    Aquela que eu soube amar;
    E vivia sem outro pensamento
    Que amar-me e eu a adorar.

    Eu era criança e ela era criança,
    Neste reino ao pé do mar;
    Mas o nosso amor era mais que amor --
    O meu e o dela a amar;
    Um amor que os anjos do céu vieram
    a ambos nós invejar.

    E foi esta a razão por que, há muitos anos,
    Neste reino ao pé do mar,
    Um vento saiu duma nuvem, gelando
    A linda que eu soube amar;
    E o seu parente fidalgo veio
    De longe a me a tirar,
    Para a fechar num sepulcro
    Neste reino ao pé do mar.

    E os anjos, menos felizes no céu,
    Ainda a nos invejar...
    Sim, foi essa a razão (como sabem todos,
    Neste reino ao pé do mar)
    Que o vento saiu da nuvem de noite
    Gelando e matando a que eu soube amar.

    Mas o nosso amor era mais que o amor
    De muitos mais velhos a amar,
    De muitos de mais meditar,
    E nem os anjos do céu lá em cima,
    Nem demônios debaixo do mar
    Poderão separar a minha alma da alma
    Da linda que eu soube amar.

    Porque os luares tristonhos só me trazem sonhos
    Da linda que eu soube amar;
    E as estrelas nos ares só me lembram olhares
    Da linda que eu soube amar;
    E assim 'stou deitado toda a noite ao lado
    Do meu anjo, meu anjo, meu sonho e meu fado,
    No sepulcro ao pé do mar,
    Ao pé do murmúrio do mar.



- Enfim, sós. (disse minha consciência ao chegarmos em casa ontem)


Quando o coração cala-se diante da voz da alma,
Nada muda, o tempo segue
Sob os meus pés o chão firme
Dentro das veias a energia desregrada

Sensações, milhões de idéias, sonhos
Realeza, sol e sons que preenche
Juras, palavras escondidas
Me calo

O que se pode dizer? 
Amor e dor
De um lado a sorte
Do outro a incerteza

Tudo vagando ao mesmo tempo
Tempo sem sobras em lamentos
Verdades inacabadas
Sonhos desfeitos

Rumo ao norte
Me seguro e deixo me levar a sorte
Lágrimas, secaram
Pensamentos brotando em lamentos e comunhão. 

Ahhh minha alma cigana, que vaga livremente e solitariamente a todo momento.

Como diria a minha grande amiga: - FOCO, não perca-o nunca !!!

Tem dias que decido tudo por mim, tem dias que decidem tudo por mim. Pior é quando eu não tenho condições de decidir nada !!!! Sempre me vejo querendo algo e só sei avaliar o que eu quero mesmo quando eu sei o que eu não quero e faço a tática de eliminação, ou seja, elimino tudo que eu não quero e vou atras sempre do que eu quero.

As vezes sinto que tão grande sejam os seus esforços, ainda assim não serão nunca suficientes. Eu sou feliz por mim mesma, não dependo outro para me trazer essa felicidade que depende de mim, do meu livre arbítrio. Sou completa por mim e o que vem depois é consequência das minhas escolhas. Escolhas, sim, sou sempre muito clara no que eu quero, as vezes tem coisas que eu balanço por ser uma situação nova e quando vem assim tão rápido eu fico preocupada e então analiso sempre com a razão mesmo os sentimentos. 

Quando eu não sou capaz de decidir por mim, eu reflito e espero o momento certo, porque no fundo o meu inconsciente já peleja a dor, já avaliou muito antes o que eu já escolhi e apenas por um laço de momentos deixei à deriva.




Hoje o sol entrou aqui em casa, trazendo promessas e renovação.

Particularmente me sinto estranha, parece que já não sou mais a mesma. Estranha e feliz. Já não é mais o medo que vem me assombrar, eles sairão e foram descansar em algum lugar no passado. Vejo que tudo que já passou foi como um grande aprendizado e necessário para que hoje eu consiga valorizar algo bom. E foi assim, de repente. Algo que já vivia em mim em algum lugar distante e que eu esperava há muito tempo simplesmente apareceu dos meus sonhos e tornou-se uma paz. Um grande quebra-cabeças que estou apreciando naturalmente. É simples, é mágico e é rico.

Me vejo em planos pra vida toda. Sem vaidade, sem excessos e em pleno dia de sol com os pés no chão.


Tu que vem assim tão de mansinho.
Me entrega uma chave de ouro nas mãos.
Faz-me brilhar com o seu brilho no olhar.
Preenche e renova.
Um porto seguro em meio a tudo que sou.
Uma água que brota que faz tudo ser fértil.
Um amor assim tão puro ....


Tenho pensado muito no plano de fundo da vida, no geralzão, naquele ponto de um todo. Percebo em sutis  e as vezes nas bruscas sensações que estamos o tempo todo inseridos nos pequenos detalhes e são eles que faz o dia bater o saldo positivo ou um saldo meio triste. É porque não consigo pensar que tudo está muito bom, obrigada, entretanto consigo sim perceber nos detalhes é onde está a felicidade da minha vida e nele também está a frustração, a média de tudo é o que me conforta.

No dia de hoje muito embora reúno saldos muito positivos, desejo mesmo é libertar o que está tão preso no meu coração, aquela nuvem cinza, aquele pano de chão que já está bem sujo. É o de sempre, pra quem me conhece bem sabe do que estou falando, relações familiares tensas. Me entristece ser o tempo todo julgada pela moral de um outro que valoriza o oposto de mim, que sonha diferente, que olha num fio enviesado a vida como um todo. E mesmo assim digo hoje que tenho amor por essa pessoa e ao mesmo tempo me entristece por ser tão rude, por tantas alfinetadas, por fazer da sua vida um jeito de controlar a vida do outro até o fim, até a morte, até as últimas consequências, é lamentável, é doloroso e desnecessário. Claro, eu já deveria ter acostumado. Claro, também já fiz todas as mudanças possíveis para afastar-me disso tudo, resisti a duras tempestades, ao deserto quente e a solidão acompanhada. É dai então que voltei sempre pelo motivo, que vale a pena todo esse percalço e por mais doloroso que seja, logo chegará o fim. Essa batalha será vencida pelas duas partes e sem mais cicatrizes eu desejo.

Enquanto o fim apenas se anuncia, sigo o foco, mantenho-me olhando apenas para o arco-iris e para as promessas de Deus. Aff, nem acredito que disse isso, mas é a mais pura verdade, até a mais racional das pessoas acredita em Deus e tem os seus momentos particulares com Ele. Ele sabendo da razão ser tão forte Ele chega e preenche todo o coração e fala baixinho em forma de flor, água e de força para continuar a labuta. E quase todos os dias Ele está no sorriso de um menino que eu amo tanto, mais tanto que se fosse para ser assim pra sempre, ainda teria todos os dias saldos positivos para toda a eternidade.


Seria tudo tão simples se não fosse tudo tão complicado !!!




As noites passam muito rápido, ultimante mais ainda. Chego tão tarde em casa e então quero saborear meu pequeno lar, andar de meias, rir em pencas, fazer um café e esquentar o leite, bato um papo com meu garoto (meu Deus como ele cresceu), tento até jogar vídeo game (mesmo odiando), então vou para o computador. Reviso as sandices que veem a toa e ao tempo todo na minha cabeça, durante as aulas isso acontece com muito mais frequência do que acharia normal. Viajo todas as quintas-feiras para o mundo antigo, ando perdida no Egito (de 4000 mil anos atras) há duas semanas ... essas viagens sabe como me deixar feliz. Dai, tem as redes sociais com um vasto material para análise (risos). Quando termino, já é tarde e eu tenho sono, mas ainda preciso ler algum texto para aula do dia seguinte (eu escolhi fazer História, está até gravado nuns posts atras, agora vamos rezar a missa na melhor maneira possível, sempre faço tudo com dedicação e amor, tem tido um
bom resultado). Mas o momento mais crucial do dia é quando apago a luz e que me dou boa noite.

É nesse momento que tudo fica a margem do escuro, da solidão, da fervura dos medos, dos anseios e permaneço ali imóvel, rígida e ambivalente por segundos, minutos e as vezes horas. Num sentimento de: ou mato ou morro. 

As vezes eu mato e muitas vezes eu morro. Quando mato, costuma ser a tristeza, os medos e solidão e durmo numa paz ingênua, tranquila e inocente. Mas quando eu morro, ah ... EU morro de paixão e nesse momento todo o resto morre junto comigo, numa valsa fúnebre, sombria e gelada, a dor da morte do acreditar é a morte mais violenta, essa leva com ela a leveza de um amor. Logo, quando mata-me o amor, mata-me os sonhos e não sobra nada.

Especialmente essa noite eu quero matar. Nessa noite quero apostar em dias melhores, no preenchimento das lacunas, no sorriso simples de alguém para minha direção, na mira do meu coração.

(Ah, metade de tudo isso aí é meu, a outra metade é minha também.)

Um dia vou toca-la para alguém, nesse dia eu já terei aprendido a tocar o bendito violão ... apesar que esse som combina mais com guitarra ... help-me. 

...

" O DEUS QUE HABITA EM MIM, SAÚDA O DEUS QUE HABITA EM TI ."


Escrevo sem pretensão de leitores, mas por pura necessidade de aliviar a tensão do cotidiano intenso.

Essa válvula escolhi para quietação da alma, alguns dançam, outros interpretam, quando outros pintam e bordam, eu preciso fazer muitas coisas, muitas .... uma delas é escrever, rabiscar, rasurar, escrever e apagar, nem sempre publicamente.

Me procuro e me encontro, ora desapareço. Isso nem sempre quer dizer alguma coisa, nem me preocupo. Quando muito me assombro, causa-me dor e desconforto. Retomo o ciclo e as vezes em circulo.

E ainda me pergunto, quem sou eu??!

My photo

Nada de extraordinário ao pé da letra ..... sigo os caminhos das pedras que curvam o rio de águas cristalinas que caem incasavelmente das pedreiras. Só saio de lá quando anoitece.

arte

arte